A Comunidade (para o desenvolvimento humano)

A Comunidade para o Desenvolvimento Humano foi criada em meados de 1980 como o organismo social e cultural do Movimento Humanista.

Os objetivos da Comunidade são o estudo, o desenvolvimento, a difusão e a instalação de uma nova cultura apoiada nas ideias fundamentais do Humanismo Universalista.

Essa nova cultura será o correlato de uma configuração de consciência avançada em que todo tipo de violência provoque repugnância. A instalação de tal estruturação de consciência não-violenta nas sociedades seria uma conquista cultural profunda. Isso iria além das ideias ou das emoções que se manifestam de maneira débil nas sociedades atuais, para começar a fazer parte do tecido psicossomático e psicossocial do ser humano.

A atitude humanista , aspecto essencial dessa nova cultura, para além de toda proposição teórica, pode ser compreendida como uma "sensibilidade", como um posicionamento frente ao mundo humano, no qual se reconhecem a intenção e a liberdade em outros e em que se assumem compromissos de luta não-violenta contra a discriminação e a violência.

A Comunidade impulsiona projetos para a aplicação concreta dessa nova cultura nos diversos âmbitos da vida pessoal e social.

Essa nova cultura fundamenta-se numa nova concepção do ser humano da qual derivam uma escala de valores, uma metodologia de ação e um projeto pessoal e social .

A ação pela transformação social não se opõe à ação pela transformação pessoal. Pelo contrário, A Comunidade entende-as como intimamente vinculadas e, por conseguinte, propõe uma atuação simultânea para superar tanto a violência social (externa) quanto a violência pessoal (interna).

Um projeto pessoal e social que trata de superar a crise atual de violência, desorientação e falta de sentido que o ser humano sofre. Esse projeto sintetiza-se no ideal de humanizar a Terra.